Andreia Barros

Fundadora do projeto Ponto da Fertilidade, onde exerce a função de terapeuta de Medicina Tradicional Chinesa (MTC) e conselheira para a Fertilidade.
Licenciou-se em Enfermagem em 2004, iniciando o seu trabalho como enfermeira num hospital do grande Porto nesse ano. Em 2005 inicia o estudo de outras abordagens em saúde, como massagem terapêutica, Shiatsu, Tui-Na, Auriculoterapia, Reflexologia, tendo terminado em 2011 a especialização em MTC no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, curso lecionado em parceria com a universidade de Heidelberg, onde obtém formação nas duas principais áreas da Medicina Chinesa: Acupuntura e Fitoterapia Chinesa. Inicia neste ano o seu percurso como terapeuta genérica de MTC.
O caminho para o trabalho na área da infertilidade começa a ser traçado após tratar com sucesso 3 casos de infertilidade, o que a leva a repensar o tema e a estudá-lo com maior profundidade. Ao perceber o quanto se tratava de uma área tão sensível, complexa e altamente específica, aliado a uma crescente paixão pelo tema, surge em 2013 o projeto Ponto da Fertilidade, que já viu nascer,desde o seu arranque, perto de uma centena de bebés.
Encontra-se em formação contínua na área, frequentando cursos nacionais e internacionais, tendo oportunidade de aprender diretamente com vários autores internacionais de referência na área, como Randine Lewis, Debra Betts e Sharon Weizenbaum.
Vê na Medicina Chinesa muito mais do que a sua atividade profissional, representando para si um modo de estar e de ver o mundo.
É praticante de meditação Mindfulness com várias formações nesta área, conhecimento que aplica também nas suas consultas.
Pratica hatha yoga e é uma mãe orgulhosa.
De momento, dedica-se em exclusivo ao projeto do Ponto da Fertilidade.

Juliana Oliveira

Fisioterapeuta-Osteopata, exerce funções de Fisioterapeuta numa IPSS e em contexto clínico desde 2002, e de Osteopata (CO) em clínicas médicas desde 2015 e no Ponto de Fertilidade desde 2016.
Licenciada em Fisioterapia desde 2002 pela Escola Superior de Saúde de Coimbra iniciou desde então a sua atividade profissional numa Instituição de apoio a crianças e jovens com deficiência mental como Fisioterapeuta especialista em desenvolvimento motor.
Em contexto clínico desempenha como fisioterapeuta funções de avaliação e reabilitação motora e funcional de crianças, adultos e idosos com diagnósticos variados e como Osteopata, avaliação, diagnóstico e tratamento de disfunções músculo-esqueléticas, viscerais, cranianas e ginecológicas.
O fascínio pela Osteopatia surge em 2004 aquando do seu primeiro contacto com um osteopata e pela constatação das descobertas e informações impressionantes de que uma simples análise postural na visão de um osteopata pode revelar. Assim, após diversas formações no âmbito da terapia manual, em 2010 continua o seu percurso académico ingressando no curso de Osteopatia para Fisioterapeutas pela Escola de Osteopatia de Madrid (EOM), sendo que este longo percurso permitiu uma viagem de descoberta surpreendente na constatação de como o homem é um ser perfeito, complexo e completo, na perceção da unidade e correlação de todos os sistemas do ser humano, em que basta um desequilíbrio a um dos níveis para que a disfunção exista.
A intervenção no campo de ação da infertilidade surge após a obtenção de bons resultados em pacientes encaminhadas pelo Ponto da Fertilidade. O interesse pela intervenção na área da ginecologia sempre esteve presente, focando-se na infertilidade aquando da oportunidade de intervir de forma complementar à acupuntura, com a Andreia Barros, fundadora do Ponto de Fertilidade. O tema da infertilidade é um desafio apaixonante que ganhou ímpeto quando começou a investigar sobre o tema. Os resultados experienciados e relatados em investigação são evidentes de que a osteopatia no campo da infertilidade é efetiva. Tem como objetivo a realização de um ensaio clínico sobre a eficácia da intervenção da osteopatia na infertilidade, como tese de doutoramento em Osteopatia.
Adepta do desporto em geral, pratica dança e tai-chi.